Arquivo do Mês para dezembro, 2012

Um pedido

Tio! A história de nossas vidas começa a ser escrita no dia em que nascemos. O que fazemos nela é o que nos faz diferentes. 

Irmãos Severo: Serafim, Maria, Jesus, Eurides

Terminei agora a leitura atenta e cuidadosa do livro Antunes Severo – Omenino do arroio do Itapevi. Antes de mais nada, muito obrigado pelo melhor presente de Natal da minha vida!

Gostaria de te dizer muitas coisas, mas para simplificar, nunca tive dúvida de que a história de minha avó Lahir, poderia ser editada representando autêntica personagem de Érico Veríssimo como no livro Ana Terra!

Quando conheci a história tive a mesma percepção que a jornalista Sônia Bridi teve: “Esta é uma história que se não for descoberta antes por Hollywood, há de ser filmada por um cineasta catarinense”.

No alto dos meus vinte e seis para vinte e sete anos, após a tristeza de um casamento desfeito, logo após assumir o comando do Quartel de Bombeiros de Laguna no anos de 1996, com coração espedaçado pela tristeza de ter deixado meu filho Adônis, com pouco mais de quatro anos aos cuidados de sua mãe, procurei refúgio e conforto junta à senhora Maria Antônia Severo Santin, minha mãe e tua única irmã.

Na tentativa de confortar-me, recorri a minha confidente mais secreta, e a única pessoa neste mundo que desde que eu nasci viveu comigo todas alegrias e tristezas da minha vida….!

Nessa ocasião ela externou o orgulho que sentia pelo filho dela ser o Comandante do Corpo de Bombeiros de Laguna – cidade distante que ela quando pequena ouvira pelas ondas de rádio que inundavam as tardes e noites dos campos do povoado da Capela contando historias do Marco de Tordesilhas que estabelecia os limites do sul do Brasil, ou falando das lutas de Anita Garibaldi e outros tantas.

Também lembrou dos momento em que eu estava conectado naquele lugar mágico como fizera inúmeras vezes quando eu era criança e passou a me contar mais um pedaço das histórias do Saicã.

Disse-me ela:  “Nem sempre os casamentos dão certo por motivos que não entendemos! Meu pai José Machado no dia em que eu nasci não me abençoou, e isso naquele tempo significava que não me reconhecia com filha legítima”.

“A minha mãe, tua vó Lahir, não entendeu aquela atitude e jamais compreendeu a situação. Mas com paciência tentou contornar e eu de fato comecei a crescer dentro de casa como uma criança estranha e sem o carinho do meu pai”.

“Quando eu já estava maior, fiquei sabendo que a esposa anterior de meu pai sofria de problemas mentais e que a mesma havia tido uma filha que também não fora abençoada, o que levou a mulher a uma profunda recaída pós parto agravada por um banho com água fria. Sabendo disso e com a insistência na negativa dele eu decidi buscar outro caminho ante a exposição da filha a tal indignidade”.

“Anos mais tarde num dia de festa na Capela tua vó Lahir fez um vestido branco lindo com um laço vermelho e me disse: hoje tem festa na Capela e tenho certeza que teu pai vai estar lá. Presta atenção, quando ele estiver distraído vai ligeiro e pede a benção pra ele!”

“Na festa, ele estava conversando com um amigo estancieiro e eu fiquei quieta pertinho deles, o homem olhou pra mim e perguntou:  – De quem é essa menina tão linda!? E o teu pai respondeu: é a minha filha Maria Antônia! Aí eu corri, beijei mão dele e disse: – Benção papai…! E pra minha alegria ele cheio de orgulho responde: – Deus te abençoe minha filha!”

“Tio: acho que este teu livro além de retratar muito bem a história da nossa família, também serve como exemplo para Santa Catarina, o Rio Grande do Sul, o Paraná e até do Brasil, e deveria ser distribuído aos milhares nesses estados para jovens e adolescentes que desgraçadamente acham que seus problemas são os maiores e piores do mundo buscando refúgio nas drogas”.

“A História é real e eu sou um dos testemunhos, a história relata fatos e acontecimentos que justificariam que seus personagens tivessem se tornado bandidos, assassinos, prostitutas, drogados etc. “Mas não, todos são vencedores em suas vidas: Tu, a minha Mãe, meus tios! Sempre que lembro da historia da minha vó sinto ela tão presente naquele mundo distante pintado e ilustrado pela minha imaginação, e que me faz ter vergonha das minhas lamurias, fraquezas e auto piedade diante das adversidades…. A ponto de te pedir permissão para publicar está obra na internet!” Lázaro Santin. Maj. Bombeiro Militar do Estado de Santa Catarina, 24/12/2012

Caro sobrinho Lázaro: como disse em menagem pelo facebook, vivemos de emoções e é com a energia que elas nos trazem que alimentamos nossos sonhos e ganhamos forças para realizá-los. Assim tem sido, assim é e creio com toda firmeza do meu ser que assim será. Teu gesto de gratidão e reconhecimento, mais do que uma delicadeza nos engrandece e anima. Com certeza, vamos publicar o livro no formato e-book, livre para quem queira ler, fazer download ou distribuir para suas redes de contatos ou mesmo para orgnizações sem fins econômicos. No início de janeiro manterei os contatos com os parceiros que tornaram o livro possível e então programaremos o lançamento ainda em janeiro. E, claro, em seu retorno das férias planejaremos juntos mais essa etapa de nossa missão.

Encontro de jovens empreendedores

Prof. Márcia Battistella e Antunes Severo. Feira do Livro

A convite da professora Márcia Battistella, Antunes Severo – o menino do arroio Itapevi esteve no estande do projeto Novos Talentos do governo do estado de Santa Catarina. A autora do livro, jornalista Ana Lavratti, em razão de compromissos profissionais não pode comparecer, mas continua acompanhando o cumprimento da serie de apresentações programada para o ano de 2012. A retomada da visitação a outras unidades de ensino com palestras e debates com estudantes será retomada a partir do reinício das aulas de 2013.

Em matéria sobre mais essa etapa do projeto do livro publicada no site Caros Ouvintes o leitor poderá ouvir a entrevista concedida pela professora Márcia a Antunes Severo no site Caros Ouvintes dia 17/12/12.

Menino do arroio Itapevi vai à Uniban São José, SC

Ana e Antunes com alunas do curso PP da Uniban,SC

A autora Ana Lavratti e Antunes Severo personagem do livro, participaram na sexta-feira, 30/11 de um bate papo sobre carreira profissional, cursos de propaganda e mercado de trabalho. O encontro que estava programada para 45 minutos se estendeu por mais de hora e meia com informações sobre o livro Antunes Severo, o menino do arroio Itapevi lançado em agosto no salão de eventos do Palácio Cruz e Sousa em Florianópolis. As apresentações para grupos de estudantes de comunicação fazem parte do projeto de levar o livro aos estudantes em todo o estado de Santa Catarina. O livro, que não está a venda no circuito comercial de livrarias pode ser adquirido com a editora pela internet ou diretamente no Box 32 do Mercado Público de Florianópolis.